São Jerônimo | Mais consultas com especialistas serão canceladas no Hospital

Com um atraso de R$ 3,6 milhões por parte do Estado do Rio Grande do Sul para os serviços prestados pelo Sistema Único de Saúde – SUS, o Hospital de São Jerônimo está respirando por aparelhos.

Na semana que passou foram canceladas as consultas de otorrinolaringologia, cardiologia, ginecologia, proctologia, oftalmologia e as cirurgias eletivas. Segundo o diretor da entidade, João Batista Pozza, até o dia 15 de fevereiro serão realizados atendimentos de Pneumologia, Urologia e Fonoaudiologia, após essa data esses serviços também serão cancelados.

Pozza teme que a crise alcance os serviços de urgência e emergência. Segundo ele, os profissionais responsáveis por esse atendimento também estão com os salários atrasados.

O último repasse do Estado ao nosocômio aconteceu em setembro de 2018. Na ocasião, foi pago 50% do valor referente ao contrato mensal, aproximadamente 400 mil reais. A partir daí a crise se agravou e sem os recursos de parte de setembro, de outubro, novembro, dezembro e janeiro, os serviços estão sendo cancelados.

BUSCA POR SOLUÇÃO – Os secretários de saúde dos municípios que integram a Região Carbonífera e que utilizam o hospital jeronimense como referência, estão organizados para buscarem solucionar o problema. Na segunda-feira (11), eles participaram de uma reunião no Departamento de Atenção Hospitalar Ambulatorial – DAHA em Porto Alegre. O encontro contou com representações de São Jerônimo, General Câmara, Minas do Leão, Butiá, Barão do Triunfo e Arroio dos Ratos.

Segundo o secretário de saúde de São Jerônimo, Ederson Pizzio, os gestores saíram com grande expectativa.

“Após a explanação da Diretora do DAHA, saímos da audiência com a convicção de que nos próximos dias o problema será solucionado. A região está unida em prol de tão importante e fundamental pauta. Vamos nos encontrar com a Secretária Estadual de Saúde, Arita Bergmann na quarta ou quinta-feira. Existe a vontade do governo do Estado em resolver o problema. O estado quer trabalhar com a perspectiva de pagar em dia a partir de março”, emendou.