Política | Pré-candidato ao Senado, Beto Albuquerque concede entrevista à Gazeta do Jacuí

O pré-candidato ao Senado da República pelo Estado do Rio Grande do Sul, Beto Albuquerque do PSB, participou do Programa Região por Dentro do Rádio da Gazeta do Jacuí FM na segunda-feira (23).

 Beto Albuquerque tem 55 anos, é formado em direito e foi deputado estadual, federal, secretário de estado e candidato a vice-presidente nas eleições de 2014.

O político iniciou a participação se apresentando aos ouvintes da Região Carbonífera, lembrando sua trajetória política. Citou a tragédia que vitimou o correligionário Eduardo Campos em 2014, que era o candidato do PSB a presidência. Disse que a fatalidade resultou na missão de compor a chapa com Marina Silva, abrindo mão da disputa do senado naquela oportunidade.

Beto tratou das atribuições de um senador, ressaltando os motivos de colocar seu nome a disposição do Estado. “Quero ser um senador que represente o estado nas suas lutas. A gente não vê os políticos de linha de frente discutindo pautas importantes, como a renegociação da dívida e a liberação dos créditos da Lei Kandir. Somos um Estado de gente que trabalha, que tem histórico de lutas”, emendou.

Questionado sobre a importância de discutir a Lei Kandir, respondeu que é uma fonte objetiva. “São dados concretos, com as contabilizações das perdas. A ideia da desoneração nas importações era boa, mas o Estado credor do tributo tinha que ser indenizado pelo Governo Federal, o que não acontece. Precisamos debater, ou abater a dívida ou fazer um encontro de contas, temos que buscar isso”, disse.

Analisando o atual cenário político, Beto Albuquerque quer que as indignações da população ultrapassem as redes sociais. “Nossas reclamações no Whats App, Twitter, Facebook são muito importantes, mas precisamos fazê-las no dia 7 de outubro, nas urnas, ou nada vai mudar”, emendou.

O pré-candidato defende a mudança dos critérios empregados pelos atuais senadores em assuntos importantes. Beto Albuquerque acredita em uma melhor avaliação, nas indicações ao Supremo Tribunal Federal - STF, nos tribunais superiores, nas agências reguladoras de energia, telecomunicações, transportes. “Quem é que chancela essas indicações? É o senado!”, bradou.

O PSB definiu que irá apoiar a reeleição do Governador José Ivo Sartori, Beto Albuquerque também falou sobre o tema. Ele defendeu a continuidade da gestão. “Esse negócio de interromper um projeto de 3 em 3 anos é resultado de 40% do nosso fracasso, comparando a outros estados como Santa Catarina e Paraná”.

Outro ponto abordado pelo pré-candidato foi a qualidade na saúde, citou os hospitais regionais que devem servir de referência no atendimento a população. Lembrou da perda do seu filho Pietro, vítima de leucemia em 2009 para falar do projeto liderado por ele quando deputado, que estabeleceu a Semana de Mobilização Nacional para Doação de Medula Óssea.

“Essas são as minhas credenciais.Eu to preparado, cara. Se vocês quiserem me dar essa oportunidade eu não vou desapontá-los. O que os gaúchos querem é alguém que faça mais e melhor”, concluiu.