Charqueadas | Estação Rodoviária está funcionando com administração da Expresso Vitória

A Estação Rodoviária de Charqueadas, localizada na esquina da Avenida 1° de Maio e Rua Genésio Marques está operando sob responsabilidade da empresa Expresso Vitória de Transportes.

POLÊMICA – A eminência do fechamento do local gerou preocupação na comunidade charqueadense. A medida da empresa Vitória assumir o posto, foi tomada após o posicionamento do proprietário do local, Marco Antonio Gonzales de Souza “Maguila”, que optou pelo fechamento do terminal. Ele justificou a ação a uma resolução emitida pela Metroplan. Segundo Maguila, com a tendência de implantação do sistema de bilhetagem eletrônica na Região Metropolitana, o serviço tornou-se desnecessário. Em um cartaz, fixado no Terminal Rodoviário no inicio da semana, constava a informação que a partir da quarta-feira (29), a rodoviária estaria fechada, mas que o embarque e desembarque de passageiros estaria garantido por ordem da Metroplan.

A Metroplan rechaçou a informação passada por Maguila, através de entrevista do Chefe de Transporte Metropolitano, Danilo Landó, ao Programa Linha Direta na tarde da terça-feira (28). Nos microfones da emissora, ele disse que a justificativa colocada como resolução da Metroplan pegou o órgão de surpresa. Landó ainda deu exemplos de outras rodoviárias que continuam funcionando e desmentiu o responsável pelo terminal.

 “A posição dele (Maguila) não condiz com a verdade. A Metroplan não autoriza nada disso, não temos essa competência”, emendou.

O representante da Metroplan, ainda questionou o cartaz colocado no terminal. “Gostaria que ele me mostrasse esta resolução. Isto não existe”, concluiu.

EXPRESSO VITÓRIA - O representante da empresa Expresso Vitória, Wilton Ferrão declarou que durante uma semana o local irá funcionar com administração realizada pela empresa no espaço cedido pelo proprietário. Após esse período, a Expresso Vitória irá colocar um trailer em um dos boxes do terminal, para seguir atendendo a comunidade, como um terminal Metropolitano. “Não é uma obrigação da empresa, mas ficamos preocupados com o atendimento dos usuários para compras de passagens e marcação de poltrona e encontramos essa medida emergencial”, disse Ferrão.