Caso IESA: Audiência de conciliação é adiada para quarta-feira (17), às 10h

A juíza do Trabalho Lila Paula Flores França, titular da Vara do Trabalho de São Jerônimo, adiou a audiência de conciliação do caso Iesa PARA a próxima quarta-feira (17), às 10h, na sede da unidade judiciária. A reunião estava marcada para esta terça-feira, no mesmo horário.
O adiamento foi solicitado pela Petrobras e pela Tupi BV ao juiz auxiliar de Conciliação do Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região (RS), Carlos Alberto Lontra. O magistrado atua ao lado juíza Lila no processo e presidirá a próxima audiência. As empresas se reunirão nesta segunda-feira, no Rio de Janeiro, para decidir sobre o pagamento dos salários em atraso e das verbas rescisórias de aproximadamente 950 empregados da Iesa. Como o encontro deverá se estender até terça-feira, solicitaram a transferência da audiência para o dia seguinte. Na oportunidade, Petrobras e Tupi responderão se vão pagar de imediato as parcelas devidas aos trabalhadores, uma vez que já estão condenadas em primeiro grau a arcarem com as dívidas da Iesa, por meio da responsabilidade subsidiária, conforme decisão foi publicada pela juíza Lila na última quarta-feira (10).
Ao longo da semana passada, o juiz Carlos Alberto Lontra Lontra fez reuniões separadas com as partes envolvidas no processo. Primeiramente, com o Sindicato dos Metalúrgicos de Charqueadas e o Ministério Público do Trabalho e, depois, com os advogados da Iesa e da Petrobras. Nos encontros, foi costurado um acordo que envolve o pagamento do salário atrasado do mês de novembro, da primeira parcela do 13º salário (vencida em 30/11), de todas as verbas rescisórias e de uma ajuda de custo aos trabalhadores que vieram de outros Estados, para retornarem às suas cidades de origem. A soma de todos esses itens é estimada entre R$ 20 milhões e R$ 30 milhões. Porém, a confirmação do acordo ainda depende do aval da cúpula da Petrobras e da Tupi BV, o que será definido na reunião que inicia hoje, no Rio de Janeiro.